terça-feira, março 26

Compulsão, quem explica?

Resolvi contar esse relato porque se você tem esse problema, saiba que tem gente pior.

Hoje eu tive um ataque e PRECISAVA comprar algo, se compulsão fosse fácil de se superar, eu você e outras milhares de pessoas não precisariam de apoio, não estariam endividadas. Sem dinheiro e sem cartão de crédito consegui a proeza de comprar 3 pasta de dente Luminous White com o cartão de farmácia corporativo. Tudo bem que eram 3 pastas de dente mais um enxaguante bucal por apenas 13,00 na PROMOÇÃO.

Primeira coisa, eu preciso? Não, eu tenho mais pasta de dente do que dívida. Enxaguante bucal?Tenho um vidro de 1 litro de Listerine embaixo da PIA DA COZINHA porque tem outro no armário. Para uma pessoa que mora sozinha e escova o dente 2x por dia em casa (as outras tô na rua né pessoas) isso dura sei lá, duas décadas. Mas poderia desencanar e falar "ah fica pro estoque". O problema é a culpa que se segue. Eu queria ME LIVRAR das pastas de dentes igual que fosse algo contaminado, o prazer de adquirir algo durou exato 5 segundos. Quando eu faço esse tipo de merda a primeira coisa que faço é tentar esconder de mim mesmo o meu dinheiro indo pro ralo, começo a me esquartejar emocionalmente dizendo que NUNCA conseguirei sair dessa, que serei uma eterna endividada, que não tenho força de vontade pra bosta nenhuma, que sou zero a esquerda, um lixo e escondo o troço, mas dessa vez eu deixei em cima do sofá só pra me lembrar que não preciso de pasta de dente. Que isso não me fará mais feliz ou completa.

Mais do que comprar qualquer coisa eu PRECISO encarar de frente as coisas que quero melhorar porque enquanto esconder ficará mais fácil fingir que é só um problema de descontrole. O que é também. Na verdade minha necessidade de controlar alguma coisa é tão grande que só caí nessas coisas que posso comprar porque eu posso TER realmente algo, mesmo que seja algo irrisório como 3 pastas de dentes.

Eu SEMPRE comprei mais que precisava, acho que isso começou lá quando afanava o dinheiro da minha mãe para comprar chocolate, 0,50 do bolsinho do avental, vai ver que nessa época a milhares de anos atrás eu comecei a imaginar que poderia COMPRAR algum tipo de prazer. Claro que o dinheiro aumentou ao longo do tempo e uma barrinha de chocolate já não era mais necessário porque poderia comprar caixa de chocolate se quisesse, mas aí eu já queria outras coisas, e como eu queria, tenho listas e listas das coisas que QUERO COMPRAR.

Dá pra ver pelo tanto de coisas que tenho E NEM SEI, tenho roupas que nunca usei e talvez não tivesse me dado (tanta) conta disso no passado porque o dinheiro entrava e eu nem sabia para onde estava indo, mas as contas estavam pagas, então tudo bem. Tem um negócio do tamanho de um organizador grande cheio de produtos de "beleza" que está escondida dentro da minha estante que não tem ESPAÇO para ficar no banheiro ou no guarda-roupas. Tenho perfume LACRADO a mais de um ano porque não dá tempo de usar todos os que tenho! Eu não me sinto feliz com essas declarações, mas me sinto um pouco mais livre só de não fazer tanta graça com isso. É um problema simplesmente porque não é necessário ter tudo isso, porque meu dinheiro não é capim e porque nem sinto prazer em tê-los, só de comprá-los e... porque me impede de ter coisas maiores, ou me comportar como adulta, seja lá o que isso queira dizer. Se fôssemos remontar pelo que não tive teria alguma explicação, mas não a cura. Entender não quer dizer que conseguiremos nos livrar de uma situação.


Eu não sei o que estou disposta a fazer para modificar essa questão, a primeira coisa já admiti que é um problema e não a solução, estou disposta a fazer algo. Alguma coisa, não posso e não daria as minhas coisas, exceto por pessoas que gosto muito acabaria me dando uma sensação de perda e compraria tudo de novo.

Prometer que não vou comprar? Rá. Quem acha que nunca tentei?

Preciso compreender o mecanismo que quer obrigar minha cabeça a comprar alguma coisa sem precisar, pode ser ansiedade, medo de não ter nada (como se eu tivesse muita coisa além de cosméticos), baixo auto estima, necessidade de ter alguma coisa, querer falar algo ou fazer algo e não poder, provável ser tudo isso junto, vou começar a monitorar as horas que quero comprar, ver e analisar o que realmente passa na minha cabeça e me fazer perguntas chaves, tentar lembrar que realmente o que preciso não é nada disso, esse é só o começo, um pequeno esboço.

Se pensarmos pelo lado engraçado pelo menos teremos dentes brancos para rir disso tudo no futuro, mas não quero fazer isso e não farei. Não dessa vez.

2 comentários:

G.K.B disse...

Eu te entendo. Tô numa dessas. E é triste. Quando a gente não pode comprar, surge tudo quanto é promoção incrível que jamais surgiria se tivéssemos grana.

Nádia Galdino disse...

Talvez só identificar o problema não resolva, mas já ajuda a tomar pequenas atitudes: essa de deixar as pastas de dentes à vista vai te lembrar de pensar duas vezes antes de comprar o que não precisa... eu já alternei entre fases de me afogar em bebida, comida e compras. Quando praticamente parei com a bebida por uns probleminhas no fígado e por minha vida social ter se reduzido a 10% do que ela foi um dia, sobraram as comidas e as compras e o resultado foi 10 kg a mais e dois anos no cheque especial. A comida é mais difícil de lidar porque né, todo dia a gente tem que comer. Quanto às compras, me assustei quando vi que boa parte do meu salário ia para ingressos de shows de rock e sapatos. Daí ainda passei para outros departamentos de compras, como livros (como se sentir culpada comprando LIVROS?) e itens de primeira necessidade, como farmácia. A farmácia ainda é meio como a comida, eu preciso de produtos de higiene e remédios, mas, hoje, só tenho o que estiver usando e mais UM de reserva... Quanto ao resto - cosméticos, roupa, sapatos, LIVROS (CERTEZA que eu tenho mais de 50 que eu sequer toquei na capa depois de trazer para casa, apesar de ler muito) - criei uma "wishlist" e, ao invés de sair comprando de cara, anoto tudo nela antes e, em casa, vejo se a vontade ainda permanece: se sim, vejo se preciso mesmo e se o preço vale a pena. E reviso a lista com frequência... me ajudou MUITO! Minha dívida do cartão diminuiu 1000 reais do ano passado pra cá!

Tenta isso, quem sabe... :)


:* e boa sorte