quinta-feira, janeiro 16

Esse é meu tipo de bipolaridade.

Bom, quando eu estava depressiva eu achava que tinha chegada ao fundo do poço, mas era um preparo do que estava por vir com minha mãe, porque só um preparo psicológico absurdo para lidar com o que anda acontecendo.

Dinheiro? Ela precisa. Atenção?, Ela precisa. Niqui eu e minha avó que mal nos aguentamos viramos muleta, muleta até pra coisas idiotas como "você tomou banho hoje?" e putaquepariu serião, juntando com uma dieta louca porque perdi a fome já emagreci 5 quilos, sanidade mental e paciência com outros seres humanos, sem falar em alergias, dores de cabeça constantes.

Mandei uma pá de gente pra putaquepariu literalmente, porque opinião de quem não quer ajudar mas quer falar, oi? Tô a fim não.

Liguei para uma amiga lá no Rio e ela nem peguntou direito o que foi pra me emprestar dinheiro, julgou se eu estava pedindo deveria ser importante e depositou na minha conta, respirei mais dias, foi 200 reais salvadores e nem cobrar cobrou, no famoso paga quando puder que não está fazendo falta. E sei que não está mesmo.

Aí negada começa com conselho de maluco e eu com aquela cara de "senta lá Cláudia e me deixa paz" me deu vontade de pegar meu dinheiro e enfiar no cu porque você não pode fazer nada, ter nada, tudo tem que ser para quem precisa. DEFINA "QUEM PRECISA". Porque eu não preciso de nada, porque eu sou compulsiva por compras, porque eu tenho que me fuder, para que toda a humanidade viva alegre e contente, só que sei que meu nível de importância dá muito mal para minha vida, exceto quando a vida alheia precisa, aí fico importantona.

SEMPRE falei a mesma coisa na vida, ninguém quer saber como eu pago aluguel, trabalho, aguento saudade, solidão, falta de identificação com o mundo a volta, contanto que seja uma pessoa guerreira e alto astral. Meu cu que é alto astral. Vocês sabem as opções a não viver lutando? Morrer. Tô a fim não.

E os famosos sou assim porque tive e perdi.... é negada eu não tive muita coisa por isso, não perdi muita coisa. Dê porra de graças a Deus porque viveu tal experiência e volte a correr. Sabem quantas viagens ao exterior já fiz? Nenhuma. Quantos carros já tive? 0. Não sou dona de onde moro e nem sei por quantas já passei, ganhei muitas lutas, mas perdi muito junto, principalmente a delicadeza de ver a vida porque a vida não me é educada quando me mete a porrada e fala se vira com mais essa.

Aí quando estou numa fossa de dar gosto, de repente me dá uma lucidez e puts, começo a pensar que de tudo o que me fala não falta nada... tenho onde morar, como bem e estou empregada, sou bonita, relativamente jovem e nussa, sempre levanto quando caio, coitado de quem não consegue, lembro que minha mãe está doente e eu saudável, que ela já lavou tanto minha bunda sem reclamar e eu fazendo escarcéu porque tenho que retribuir, me dá uma paz enorme e volto a fazer as coisas, trabalho, corro, e me dá alegria saber que posso retribuir um pequeno pedaço do que ela fez, incluindo me dar a vida, não consigo julgá-la apesar de tudo, fico com raiva da situação, mas não consigo largar de banda (apesar do afastamento) e fico feliz quando ela sente que pode contar comigo mesmo com certos abusos, porque também sei como é horrível não ter pra onde correr, pra tudo que já não tive eu tive capacidade de ter depois, até pra não querer mais aquilo e de todas as minhas escolhas não me arrependo, como deve ser horrível viver amargo por arrependimentos como ela, que vida horrível deve levar, que vergonha deve sentir quando se acha um peso para os outros, e como sente orgulho de mim que diz ser a única coisa que fez certo na vida e como me desejou até eu nascer, eu me sinto a obra viva da vida de outra pessoa, por isso eu sempre perdôo todo mundo, não por me achar por cima, mas pela simples capacidade de poder fazê-lo.



Nenhum comentário: