sábado, fevereiro 1

Minha casa é minha casa.

Tenho um toc bastante esquisito, vivo deixando minha casa uma zona para ter o que fazer nos finais de semana, e passo o final de semana bagunçando e arrumando até que finde o domingo quando fico nervosa e chateada de ter que trabalhar na segunda-feira.

Eu começo a arrumar e paro, arrumo mais um pedaço e paro, para que a atividade não acabe, eu sei que é subconsciente, mas sei que quando acabar minha mente vai começar a perguntar "o que vamos fazer" e como não tomo mais remédio para dormir só me resta ler, porque não vejo TV e meu note fica em um lugar desconfortável para ver filme.

Minha casa é meu maior escoadouro de dinheiro e não gosto de admitir, mas as vezes eu a odeio por não ter servido ao propósito inicial de quando saí do Rio, as vezes quero me esconder da minha própria casa, junto com minha auto estima estilo lixão não vejo porque cuidar de algo que vai acabar qualquer hora dessas, adorava viver mudando minha vida, agora eu tenho medo do que as mudanças podem trazer, esse aspecto tão adorado da minha personalidade virou meu maior defeito, aliás a um bom tempo que minhas qualidades viraram defeitos, a muito tentam me mudar e o tanto que tentei me fez ser uma pessoa que não conheço.

Uns dizem que preciso de médico, remédio e outros que preciso de Deus, outras nem sabem o que dizem, mas uma coisa é fato, desde que troquei a minha vida pela vida alheia isso tudo começou a ocorrer.


2 comentários:

Kátia Barcellos disse...

Cristal,

Leio teu blog a muito tempo.Em muitas coisas identifico-me contigo,pois também moro sozinha e longe da minha familia(sou gaúcha,de Porto Alegre e moro a cinco anos em SC,junto ao mar,o que não ameniza em nada a saudade).A diferença é que não mudei por um amor e sim por transferência de trabalho,o qual gosto muito e me paga bem.Entendo tua compulsão por compras(qdo meu pai faleceu,a pouco menos de dois anos,tb tive a fase "comprar,comprar e se atolar no cartão de crédito),também tive crises de depressão e ansiedade(as vezes o "bode preto" tb quer mostrar sua cara feia para mim).Então,mesmo não te conhecendo,gosto de ti,guria.Sei que deves ter um zilhão de gente dando pitaco na tua vida,serei uma a mais e vc pode até ficar brava comigo.Mas,não seria a hora de parar de dar murro em ponta de faca aí em BH e voltar para o RJ? Não acho a volta como sinal de derrota e sim,que vc tentou(e como tentou!!) mudar a vida para melhor.No RJ,por mais complicada que seja tua familia,é lá que eles estão.Teus amigos tb estão lá e podes retomar teu antigo empredo,que pagava bem,ou outro que vc queira.Se o Marcos realmente amar vc,ele voltará a fazer o "bate & volta" MG-RJ.Se não amar,não é em MG que ele amará como vc merece.Então,amiga..levanta essa cabeça inteligente,respira fundo e MUDA a vida,pq aí em MG vc já viu que mudou para pior(mas vc só saberia disso se apostasse todas as tuas fichas.Apostou,não deu..) Não perdestes,mas aprendestes.Não é nada legal ver (ler) vc assim,lutando batalha perdida.Não faz teu estilo.Pense na possibilidade de voltar para o RJ.Se for para sofrer,que seja em um lugar onde o sofrimento tenha a possibilidade de terminar e,como disse lá no início: por mais complicada que seja tua família,é melhor estar perto deles do que sozinha aí.
beijos

Kátia

Cristal disse...

Katia, que bom e que ruim essa identificação, não ficaria nunca chateada com o pitaco, o pitaco é falar as coisas sem base, você falou com base e isso jamais me incomodaria. Mudar para o Rio resolveria uma parte ínfima dos meus problemas, minha família é bastante problemática e não sei se nesse momento ficar perto deles seria benéfico, meu único erro nessa porra toda foi ter colocado expectativas demais em coisas de menos, only isso. O resto é justamente jogar essa frustrações em coisas que não tem nada a ver. Conselho válido e guardado, nunca deixe de falar o que acha e pensa.

Bjundas :):):)