domingo, fevereiro 16

Não devemos julgar o que ignoramos.

Temos a mania péssima e horrível de medir os outros por nós.  Fiz e faço isso até que a vida vem e mostra algumas coisinhas.

Hoje falo por experiência PÓRPIA que quando não sabia nada sobre depressão, achava que era a maior frescura do mundo.
Ou tentava medir a dor alheia, dizendo que era frescura também, até que tive uma crise de enxaqueca por três dias seguidos, tomei ao todo mais de 10 analgésicos para ir trabalhar, tive ânsia de vômito e vontade de quase morrer, colocar o pé no chão doía. Aí aprendi um pouquinho sobre o que dói nos outros pode estar doendo mesmo.

Nunca tinha tido dor de dente de verdade até quarta-feira passada, meu dente ciso infiltrou, sabe-se Deus como e PUTAQUEPARIU, em casa sozinha eu: Rolei no chão, fiz bochecho com água quente, água fria, ajoelhei e pedi pelamordedeus para levarem a dor embora, fiquei quinze minutos andando pelo apartamento por pura agonia, tentei deitar e doeu até dentro do olho (sem sacanagem nenhuma) e tomei dois remédios para dormir com medo de tomar mais analgésico e morrer. Pela primeira vez entendi: dor de dente.

Algumas pessoas me julgam pelas minhas escolhas, mas também faço o mesmo. Por isso tenho sido atenta a meus julgamentos. 

Sempre tive uma opinião sobre tudo e hoje sei o quanto estava errada sobre um monte de coisas. Tenho andando muito mais calada que já fui ou falando sobre assuntos mais triviais. Temos que cuidar tanto o que entra com o que sai da nossa boca.  posso garantir que o peixe morre pela boca, mas não pelo que come e sim pelo que fala.





Nenhum comentário: