segunda-feira, julho 7

Um dia vc é obrigada...

A fazer uma análise profunda de tudo aquilo que te cerca, percebendo que já não é mais adolescente não tem direito de ter escolhas assim tão “imaturas”. Tudo na nossa vida tem um preço, o problema muitas vezes é que matemática nunca foi o meu forte, com meus cálculos errados tento barganhar com o destino um refresco qualquer para as sementes que plantei mal ou deixei de plantar.

É triste ter que constatar que nem tudo é como imaginava ou remotamente sonhava.
A vida é muito corrida, o tempo passa e nem sempre percebemos que estamos literalmente empurrando tudo para ser feito amanhã, só que o amanhã nunca chega, sabemos disso.

Nos perdemos na pequenez das coisas, da rotina, do trabalho, deixando sempre os “grandes projetos” para ser feito no dia que teremos tempo, dinheiro ou disposição. E a vida vai passando... e a gente vai assistindo, invejando aqueles que tiveram um grama de energia a mais para realizar aquilo que só ficou nas nossas mentes.

Eu faço muitas análises, de tudo e todos, afinal eu me cobro bastante (alguns diriam até que demais). Tenho épocas em que fico assim, pensando... pensando e pensando. Até para ver o que pode ser modificado e aquilo que eu realmente ando fazendo de errado, mas é claro que na grande parte das vezes não consigo dar um giro de 180º, mas pelo menos não fico na ignorância completa.

Muitas vezes o meu problema não é o impulso de fazer as coisas e sim de manter. A disciplina me falta e eu me perco nas minhas elucubrações, achando normal ser dispersa ou qualquer outro adjetivo que sirva na hora de dar as desculpas.

Não quero morrer sem ter vivido ou ter sempre aquela sensação de “não fiz o meu melhor”. O mundo não serve para os pequenos e medíocres, não serve para aqueles que gostam de dar jeitinho em tudo.
Porque não conseguimos, nem que seja por um período fazer aquilo que tem que ser feito? Porque sempre arrumamos um jeito para não fazer e mentimos para dizer que sempre teremos um “outro momento” para fazê-lo?

Nunca mais quero me sentir assim, vou preferir morrer de cansaço do que morrer de tédio, por isso para quem lê e pensa que eu posso estar deprimida ou qualquer coisa do gênero, eu digo, estou bem... muito bem. Estou mudando, estou analisando, estou redescobrindo...

11 comentários:

Daah Oliveira disse...

Eu acho que tenho medo de parar pra refletir, pensar demais faz mal.

Tititi disse...

Esse momento é ótimo... sempre precede grandes mudanças e evoluções!!! O meu finalmente chegou, o seu tá próximo!!!Isso é sempre muito bom!!! Conte comigo, ok? Bjokas! ^^

Flor disse...

quanto mais eu penso... mais confusa eu fico...
adorei seu blog...
Beijo e boa semana!

Andarilho disse...

Eu prefiro morrer tranquilo, nem de cansaço nem de tédio.

JM disse...

Hum... Estou em uma nova fase, há um tempo atrás estava em uma má fase...

Estou redescobrindo velhos amigos, descobrindo novas coisas...

Reciclando pensamentos...

Bjos !

Rodrigo Santiago disse...

Ultimamente tenho conversado com muitas pessoas sobre este sentimento, e, em linhas gerais, é tudo muito parecido. Acho que é a crise do novo milênio. :-P

Como você mesma disse, tomar as atitudes é fácil... difícil é perseverar nelas.

Mas o pior que se pode fazer é se enganar, dar uma guinada de 360°, só para fingir que "guinou", continuar na mesma coisa, e achar que está tudo bem.

Titi disse...

Da reflexão para a ação é um pulinho.
Basta fazê-lo.
Mas mantê-lo é que são elas...

Cristal - a louca. disse...

Daah: Faz mal mesmo menina!!! kkkk

Tititi: Que bom menina!!!! Fico muito feliz por ti =]


Flor: Pior que é a verdade... a gente procura uma resposta e só acha mais perguntas!

Andarilho: Vc que está certo! Mania minha de querer revolucionar o mundo.

JM: =]]]

Rodrigo: Deve ser essa nova crise mesmo... mudar para nos enganarmos é ainda pior.. afinal.. estamos nos enganando!!!!

Titi: Quero muito acreditar nisso amiga! =]

Beijundas ^^

Milena disse...

"Muitas vezes o meu problema não é o impulso de fazer as coisas e sim de manter."

Concordo e assino em baixo. Não sei cumprir as regras crio pra mim, não sei se por preguiça ou comodismo, mas quando vejo já me perdi nas minhas próprias regras...

Nat, disse...

é, querida, tbm já passei por uma dessas recentemente. Aquela hora clássica em que vc se pergunta pra onde está andando e se quer continuar ali, e onde mesmo quer chegar. Eu saí dela (bem agora), espero que vc tbm saia. Beijos!

Cristal - a louca. disse...

Milena: É bem assim mesmo! sem falar que a gente se acha fraca quando não consegue manter as tais "convicções"


Nat: Eu já estpou saindo... devagar, mas tô =]

Beijundas ^^