terça-feira, fevereiro 24

Carnaval

“Baseado nos orixás australianos que trás para a avenida toda a garra dos filhotes de Gandhi e aIeiê mamãe Oxum que nesse abre alas traz muita água e muito axé meu rei . O ouro aqui representado por Machado de Assis fala da riqueza da nossa cultura que voilá maximopoiésis na frança fala-se francês, ou não. As mulheres não estão nua, apenas estão retratando a miséria, a crise mundial e as cacatuas nordestinas. A escola está em toda a sua magnitude e maxelêlê caburequelê, nesse carro alegórico que tem um cachorro mas na verdade fala sobre a vida de Buda, sua simplicidade e sabedoria.”

7 comentários:

Ana Cláudia disse...

Nunca na historia desse país, alguem comentou tão bem o carnaval.
só você mesmo Cristal, para alegrar minha quarta feira de cinzas, depois de um carnaval uó.

Raposa disse...

Faltou falar da musicalidade abstrata convexa da arritmia melódica conceituada no ziriguidum patagônico abordando toda a africaneidade da raça brasileira enquanto forma neo expressionista da arte pós-moderna num misto de som musical e tortura audio-auricular.

Nat, disse...

haha! Conheço um desse! Chama-se São Ganguru de Aquilelê, cura até caspa!

Colombina disse...

Véi...na moral! Pior que é assim mesmo!!!

Ana P. disse...

FINALMENTE!!! ALGUÉM QUE CONSEGUIU DIZER EXATAMENTE O QUE EU ENTENDO DESSAS PORRA DE CARNAVAL: nada...

Não é à toa, mizifia, que eu sou sua fã!!!

Natie disse...

Fala sério, sua inspiração veio das declarações de Caetano Veloso. Ohh céus...huahuahua
bjoo

Natie disse...

Ahh mas gostei dos adicionais raposa...