sábado, agosto 14

As vezes...

Tem dias como hoje, que tenho bate uma saudade de... ficar bêbada pra caralho.

É estranho admitir isso, já que tem bebida em tudo quanto é canto, inclusive aqui em casa.

Arrumei casa, fiz comida saudável, declaração de amor pro namorado, uma ligadinha pra minha mãe, a unha marcada no salão mais tarde...

Lucky Strike amarelo na mão, dançadinha no meio do apê e a lembrança de quanto eu era praticamente a Cristiane F da Penha, que chegava em casa sem saber como e contava os mebros pra saber se estavam todos nos seus lugares exatos.

Eu fiz uma escolha, não parei de beber, mas não tinha condições de manter "aquela vida" de começar a beber sexta e parar no domingo. De entrar em uma boate cheia de puta e me divertir porque tinha bebida liberada, de ir fechando os bares de Madureira até Rocha Miranda.

Hoje quando marco de beber uma cervejota é pra colocar os papo em dia com as amigotas, é uns chopps e casa, relativamente sóbria.

Somente os drogados e bêbados entenderão o que é uma repentina saudade de viver na merda.

É a carência coberta.

Não troco minha vida de hoje por essa que hoje parece tãooo antiga, não troco nem um grão, sei de tudo que me faltava e que tenho hoje. Sei da satisfação que me dá tudo o que tenho, do amor da minha vida ao meu emprego, de todas as coisas que não podia fazer porque sempre faltava dinheiro.

É não ter onde se esconder quando sente falta de alguém, de ter que encarar, de ser só e somente você, seus pensamentos e sua vida. Sem alcool, sem esconderijo secreto de Cristal.

Quando senti falta mais cedo, era exatamente disso que sentia falta, de poder me esconder em qualquer copo, de ficar tão doida que esqueceria do meu nome e de qualquer pessoa, naquele lugar escondido da cabeça que vc não consegue e nem precisa pensar em mais nada. A não ser na satisfação de ser uma pessoa vazia, sem anseios, sem saudade, sem ambição, de não ser nada pra ninguém, nem pra si. De ser um papel ao vento, nem que fosse por algumas horas. É acessar aquele resquício de vida sem responsabilidade, de sair correndo pro nada e querer lá ficar.

Mas eu não posso ficar lá, porque lá não tem nada e sei disso.

Por isso vou voltar pra minha vida, a vida que escolhi, porque se eu pensar bem, não preciso fugir nada, tudo se encaixa.

18 comentários:

graziela disse...

Passou? Espero que sim...

vc tem razão, em tudo o que disse (e não é só pq é sobre a sua vida, é pq é assim mesmo).

bjão

i ILÓGICO disse...

onde?
e se me escondo?
onde me ponho?
no seu sonho,
no seu eu me ponho.
e nasço.

Fernanda disse...

se não parecesse tão sincero, eu seria capaz de dizer que vc fez este post bêbada. O que não quer dizer nada, porque os bêbados são sinceros...
Uma coisa é certa: a sensação de "merda de vida" é a pior. Uma hora você começa com uma latinha e daqui a pouco estranha porque a caixa tá acabando e você sequer tá tonta...até a gente mesmo fico bolado...e se der mole vai aumentando a quantidade de caixa.

hoje eu tenho nojo de bebida. Nojo.
como vc disse muito bem: Sei exatamente o que eu não tinha e tenho agora. Graças a Deus.

Maria Rita disse...

Como diria Rita Lee "só quem já morreu na fogueira sabe o que é ser carvão." Eu tb sei, e apesar da saudade de certas coisas o preço fica alto demais quando a vida real resolve nos visitar. E quer saber, minha lista de merdas é tão extensa que eu precisaria de muitas linhas para relatá-las, mas não sei o que seria de mim sem elas.

Rafaela disse...

onde está a cristalzinha beba desse blog hein?

Lua Nova disse...

Poxa! Que post!
Cristal, to besta até agora.
Muito bom, cara, muito bom.
Um monte de beijos.
Já te disse que te adoro?
Pois é... acho vc o máximo!
Beijos.

Danúbia Bellami disse...

Ficar muito louca às vezes é tudo,principalmente quando vc se vê perdido dentro de vc mesmo!Tem tempo q eu não fico muito louca tbm, tô me reencontrando igual a vc!

'Lara Mello disse...

Depois de minha filha tb parei de ser essa poha louca! E não me arrependo..Hj quando bebo me sinto mal..

Linda Carioca disse...

Nossa, eu ri muito imaginando a cena...vc sendo a "Cristiane F da Penha", rsrsrsr, que blog divertido !

Daniella disse...

Eita!!!
Me vi ai, na sua vida passada e na atual, tipos: nada como um dia atrás do outro...
Não que eu seja (que sejamos do AA), mas tô assim, Cristal, meio que no rehab, sabe? Tipo, tentando achar que tudo vale a pena e o alcool não precisa ser o ator principal? Nem na alegria, nem na tristeza. EU sou a atriz principal do meu filme. E o álcool? Ele vem vez ou outra, mas só pra celebrar!!

Bju,
Dani Halliday
www.misshalliday.wordpress.com

Frô disse...

Oi Cristal,

É isso aí, não vale arriscar suas conquistas por um prazer que só dura um segundo... e te leva para o nada que você já conhece.

Fique firme, mulher.

Beijo,
Frô.

Srta Diazepan disse...

ah! também sinto falta de ficar beeem bêbada, com a cabeça vazia e a boca cheia de bobagens pra falar...e as risadas???? Ah! As risadas!!!!
Sair do sério... de vez em quando até vale uma ressaca! *rs

beijos

Gerundino disse...

O amor muda as pessoas... não que isso seja bom :p

se for beber me chama.

Red Forman disse...

se for beber me chama [2]


=*

RED.

D. Strudel disse...

Que FODA!!!!

Maiçá Chaves disse...

Ow Cristal, sei exatamente como é isso.
QUando você resolver encarrar tudo, e ver que num é a vida que é uma merda com vc não, é vc que faz da sua vida a merda que la é!
Sei exatamente como é isso!
Mas na hora que a gente resolve tomar conta da nossa vida, tomar mesmo as redias, acontce cm vc falou, as coisas se encaixam!

;p~

Mila disse...

Me identifiquei fortemente!
Desde que "mudei de vida", arrumei emprego bom (nem tanto, vai...), namorado maravilhoso e virei moça decente. Mas tudo isso me traz alguns problemas que são normais pra quem tem casa, trabalho e namorado para administrar. E quando esses problemas aparecem, dá uma saudade quando eu só ia encher a cara e a vida passava embaçada na minha frente, sem problemas maiores, sem muitas responsabilidades e tal.
Mas aí depois eu lembro da ressaca e de como eu voltava a ser sem a pinga toda e vejo que o que tenho hoje é infinitamente melhor do que as horas de vexame alcoólico.
Enfim... 100% de satisfação o tempo todo deve ser impossível mesmo.

Lady Murphy disse...

Acho que muitos de nós têm um passado repleto de loucuras, bebedeiras e insanidades em comum.

Era a adolescência, quando só o que importava era a urgência do agora.

Também tenho saudades de tudo aquilo que vivi intensamente, mesmo das coisas que não posso lembrar (amnésia alcoolica), mas não troco um dia de hoje por anos de ontem. Eu amo o meu presente e a saudade apenas me satisfaz. retomar aquilo seria ridículo. Fisica e economicamente inviável.

O que basta é saber que aproveitamos.