terça-feira, outubro 12

Eu tenho uma casa

Ela só existe na minha cabeça. É uma casinha pequena, no meio do nada, não sei onde fica, só sei que existe, tem um grande gramado, uma varanda e um varal. Ela é pequena, do meu tamanho, um quarto, uma sala, uma cozinha e um banheiro. Tem alguns móveis lá, uma mesa de madeira, um antigo banco, uma cadeira de balanço.
Não tem eletrodomésticos, apesar de ter luz, tem uma grande estante cheia de livros, tem comida, mas nunca sinto fome, as vezes até como alguma coisa que está por cima, uma fruta da estação, um pão... e tem lençóis macios.

Nunca tem ninguém lá, só eu, só eu tenho a chave. Todas as vezes que me sinto insegura, é para essa casa que vou. De vez em quando aparece alguém no portão, um desses portões baixinhos, rente ao muro, ficam lá gritando me falando pra sair, às vezes é a minha mãe, muitas vezes, meu namorado, alguns amigos já apareceram.
Lá eu não tenho ninguém, nenhuma obrigação, não tenho trabalho e não preciso de dinheiro, uso qualquer roupa confortável dependendo de que tempo faz. Sento-me na varanda com uma xícara de café e penso no nada. É lá que vou para pensar no nada. É quando saio da minha cabeça, para minha casa imaginária, para sei lá, descansar.
Hoje fui pra lá de novo. Sempre acho que cairei no choro, sempre acho que perdi alguma coisa, mas lá, na casa mágica eu nunca choro, apenas fico em paz, como uma pausa, para voltar ao mundo real.

Já tentei colocar algumas coisas na minha casa, já tentei até modernizar, mas ela está sempre com a mesma cara e o mesmo jeito quando volto, sem computador, sem celular, é sempre a mesma cadeira de balanço e o mesmo antigo banco, onde repouso a bolsa quando chego, onde coloco minhas antigas roupas, as roupas do mundo de cá, eu tomo um banho, abro um armário de duas portas, lá tem roupas de um tempo antigo, algum chinelo, quando faz frio coloco meias e um casaco de capuz, são os mesmos de sempre, o casaco e as meias, acho que nesse mundo não tenho muitas roupas, o que não faz diferença, pois lá não preciso de muitas, faço uma xícara de café em coador de pano, um café fraco com açúcar, acho que lá é assim que gosto de beber, arrumo um cigarro que está sempre em cima de um pedaço de madeira, é de uma marca que nem fumo mais, mas lá na casa, sempre tem dele, e vagueio pra lá e pra cá, quando termino de fumar, apago em um antigo cinzeiro, que deve ter sido presente. Olho os móveis, estão cobertos de pó, não é a poeira do abandono, é apenas falta de um espanador recente, Dona Margareth sempre cuida da casa quando estou fora (não me perguntem quem é ela que não sei), mas essa semana, ela não pode vir. Se ficar um tempo a mais dessa vez, colocarei os lençóis no sol.

Estou sempre de cabelos presos os óculos são esquecidos em algum canto, tento me lembrar porque fui lá dessa vez, mas não me lembro de nada, não tenho necessidade de ficar bonita, ninguém me visita, só aparecem para gritar no portão, dizer que é loucura ficar lá dentro com tanto a ser feito aqui, que tenho que resolver meus assuntos, mas quero ficar mais um pouco mais dessa vez, quero colocar os lençóis no sol.

11 comentários:

Luciana Matos disse...

Adorei!
Me lembrou aquela música No rancho fuuuundo, bem pra lá do fim do muuuundo...

i ILÓGICO disse...

................s.........
eu ia escrever só isto mas.......
rancho fuuunndo....hsuhauhuhsuahsuhauhs

ROOTS disse...

RANCHO FUNDO.... KKKKKKKKKKKKK

AI CRIS...
ENTENDI PERFEITAMENTE O QUE REPRESENTA ESSA CASA...
(HUMMM É UMA ESPECIE DE PORTO SEGURO... SEI COMO É!!!)

TAMBÉM PRECISO COLOCAR MEUS LENÇÓIS NO SOL

'Lara Mello disse...

Amei o texto, eu converso com a outra..Minha psicóloga da minha cabeça..É ótimo! Bju

misshalliday disse...

Show!
Não tenho uma casa assim não, pq até pra "fugir" do mundo, ando com preguiça... Vou ficando e ficando... encostada em alguma coisa...

Bju

Nira disse...

gostaria de ter um cantinho assim. No meu caso, meu blog funciona mais ou menos dessa forma....

Gisa disse...

A visão que me fez ter, ao ler esse texto, foi simplesmente..Divino!
Adorei Cristal. Só que eu queria uma casa real, em que eu pudesse realmente me refugiar...
To trabalhando pra isso..
=)

Cristal - a louca. disse...

Luciana: kkkkkkkkkkkkkkkk boa!

Ilógico: Rancho fundo sua bunda rs.

Roots: É bem tipo isso mesmo, é um bom lugar para descansar...

Lara: Cara já tive uma, mas ela me dava conselhor estranhos, depois vi que era eu mesma e desisti, espero que a sua outra seja mais sensata que a minha outra.


Miss: A maioria dos meus dias tb sou assim, uma preguiça modorrenda.

Nira: O meu blog tb é terapêutico, mas tem horas que preciso ficar quietinha e pensar mesmo.


Gisa: Cara, se você conseguiu um vislumbre daquilo que eu vejo, puxa fico muito feliz, mesmo mesmo.
Estamos trabalhando para uma casa real, estamos.

Beijundas meu povo!!!!!

deiviane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ricardo disse...

Fantástico texto. Gostoso de de ler e provocante. Parabéns.

Lua Nova disse...

Poxa, que texto legal... além do "rancho fuuuuuundo, bem pra lá do fim do muuuuundo", me lembrou "eu quero uma casa no campo..." . Gostei demais da sua casinha e se vc consegue mesmo fugir pra ela de vez em quando, talvez vc consiga controlar sua pressão com mais facilidade.
VC é demais, menina.

Agora, os caras que vem comentar teus posts são um barato.
Beijokas.