sábado, outubro 20

Cabelo cresce.

Obrigada pelas boas vindas e hoje mostro a que vim no mundo (certamente eu não deveria beber tanto café que tô locona de cafeína mas algo precisa justificar a minha volta ao DOIS CIGARROS E UM CAFÉ se esse blog se chamasse as raízes do mantra eu estaria cantando ohms agora)

Hoje farei meu primeiro antes e depois de muitos séculos, como pobre e sofredora que eu era, porque minha conta bancária não mudou, mas a minha relação para com ela sim, mostrarei ao mundo minha nova cabeleira. O que é bacana é que vou pro salão sem nenhuma perspectiva de nada e vou escolher o corte na revista.

Olhem para essa pessoa:










Essa pessoa está sofrendo do mal do cabelo sem personalidade (tudo bem que está sem pentear e acabou de ser lavado, está revoltado com a vida) essa pessoa é pobre, não tem um dinheiro pra comprar baton ou um hidratante para o rosto, uma base da Abelha Rainha para tampar as olheiras e esse óculos novo fabuloso  foi parcelado em 10x no cartão) fuma San Marino e come pão dormido. Essa pessoa não pode ser eu!
Tá eu sei que minha sobrancelha está muito fina e alta (puxada da mamãe, estilo sobrancelha de traveco com muito espaço para sombras com glitter), coisas da vida, ainda não sei como vou consertá-la.

 Desde o último corte e dois "acertos" não foi feito nada nesse cabelo além de tintura preta vagabunda para cobrir os frios brancos - é minha gente, cabelo branco aos 27, aos 30 vai ser botox, certeza.
Hoje acordei louca do meu cu para fazer algo radical, algo que gere arrependimentos futuros, porque um cortezinho de nada não está na minha lista adrenalizante de fazer merda com o cabelo. Sem falar que ele já está uma merda, apesar de que quando dou uma arrumada melhora bem, mas foda-se, hoje é o dia e daqui a meia hora a dona do salão está me esperando para metermos a tesoura nesse cabelinho zé ninguém.

O depois vem daqui um tanto, depois do corte obviamente.

Um comentário:

Lara Mello disse...

Cris, preciso dizer, você parece esta mais magra *.*