terça-feira, dezembro 4

Empresária de sucesso.

Todos sabem que eu vendo bijuteria para agregar no orçamento doméstico né? Se não sabiam, saibam, aliás eu vendo qualquer coisa que cruze meus dedos.

Comecei para pagar uma continha aqui e ali e vejamos, vendi tudinho já esse mês e estou cheia de encomendas.

Como já vendi a porra toda vou pegar o resto do décimo e colocar no meu micro negócio, como todo mundo tá com o décimo na mão, beleza.

O mais interessante de tudo isso é que tipo, tenho um talento nato para acessórios, sempre tem alguém que pergunta onde comprei, onde achei, e tals, bolsa e sapato então, nem falo poderia vender quase tudo que uso em um piscar de olhos. Sem falar que tenho um puta olho, posso dizer quanto vocês veste dos pés a cabeça só te olhando - isso é sério, pode perguntar pra qualquer um da minha família.

Até que depois de séculos e a necessidade né minha gente, pensei-me porque não colocar tudo isso pra ajudar o povo a ficar mais lindo, enfim, tudo o que levei foi comprado em 40 minutos. Minha dica pra nunca sobrar material (que não posso devolver, exceto umas pulseiras maravilhosas de couro que minha cunhada faz e mesmo assim devolvo por causa do tamanho) é tipo não comprar nada que eu não usaria e que seja de qualidade xing ling e olha que minhas coisas são baratas de cagar de rir. Tenho uma regrinha de uma conta simples de lucratividade, x por cento mais passagem e lanche dividido pela quantidade de peças. Fácil fácil.

Se sobra uma ou outra pecinha vendo pelo mesmo tanto que comprei só pra não ficar rolando na bolsa, mulher gosta de novidade né? E não quero correr o risco das minhas pedrarias quebrarem por ficarem rolando sei lá, dois meses na minha sacola.

Vendo sapato por encomenda, bolsa, brinco, qualquercoisaquequeira, aliás meu lema é alguém olha meu relógio-brinco-pulseira e  fala "que lindo seu relógio" eu falo: PODE SER SEU, é só me encomendar.

Inclusive já arranquei meus brincos para a louca que queria aquele e não podia esperar, eram meus mesmo, nem eram de vender, mas né? Dinheiro é dinheiro e sempre posso comprar outros.

Essa de tirar do corpo me rendeu histórias ótemas, porque as meninas querem até as coisas que jamais venderia como os anéis de prata que eram da minha mãe e minhas bolsas de couro - que não vendo porque sei que não encontro mais delas. A rainha das ofertas é minha bolsa da Solier que tá comigo a uns 4 anos e tem escrito Rio de Janeiro na frente e uma puta estampa de girafa com couro preto. Detalhe que na época ela já me custou um olho.

Tem um outro segredo, dependendo da peça, se for minha (eu sempre pego algo pra mim claro, como modelo e como querência mesmo) eu empresto por um dia, se ela gostar do bracelete, maxi colar é só me devolver no outro dia, e me dizer se quer, NUNCA nenhuma delas deixou de encomendar e nisso arrumo um dinheirinho pra internet, pra continha de luz...

Sinceridade que não faço mais por causa da minha cabeça de cu, porque poderia tranquilamente fazer bolo pra vender, (faço um bolo de cenoura que você come chorando com medo de acabar) e só não pego umas faxinas pra fazer que taí uma coisa que não sei fazer. Mas ganhar dinheiro é com nozes.






Nenhum comentário: