segunda-feira, março 25

O começo.

Após a admissão dolorida do meu fracasso retumbante, comecei a fazer ALGUMA COISA, primeiro mandei cancelar minha conta de telefone, depois liguei para o banco e mandei cancelar meu cartão de crédito e considerar só a dívida ativa.

Depois pedi para o meu chefe empurrar minhas férias para novembro, praticamente implorando, minhas férias seriam em maio e queria TANTO poder ficar uns dias com a minha família, mas não vai rolar, porque não vou ter dinheiro para pagar as contas em junho mais as passagens para o Rio, se considerarmos minhas atuais contas, tudo o que havia encomendado: uma calça preta e uma calça jeans, mandei que não trouxessem ou daria calote, coisa que sempre amedrontam os vendedores de qualquer coisa (apesar de eu nunca ter sido caloteira na vida).

Sabe-se Deus agora quando verei minha família. Tentei VENDER as minhas férias para acertar pelo menos 1 conta, mas não aceitaram, então férias só em novembro, se eles aceitarem é claro ainda tá meio obscuro a boa vontade para isso. Não comi na rua e levei uma fruta de casa para não gastar, aliás levei só o dinheiro do cigarro e um troquinho que não dava nem para comprar um picolé.

Após essa batalha fui ao banheiro da empresa e chorei chorei - está virando praxe isso, tentei fazer cara de paisagem mas sempre tem alguém que repara. Daqui a pouco já serei reconhecida como alguém desequilibrado e olha que sangue frio era uma das minhas características.

Voltei pra casa totalmente anestesiada, sacolejando no ônibus pensando em todo meu potencial desperdiçado, toda minha energia jogada fora e ninguém a não ser eu se importa. Queria me sentir vitoriosa de pelo menos estar tentando fazer algo e ter feito, mas não me importou, no final do dia só mais um cigarro por favor e quero chegar em casa para dormir. Com dor de cabeça dá pequenas tréguas e desde sábado me atormenta. Aline, deve ser psicológico sem dúvida, tensão pura, irradia até os ombros e nossa é uma merda. Realmente até olhar pro lado dói.






2 comentários:

Arthur Vilhena disse...

Querida, isso que você está sentindo é a coisa mais normal do mundo. Algo que todo ser-humano que mora só sente, logo, longe da família e de "coisas certas". Leio diariamente o seu blog desde 2008, venho te acompanhando sempre. Passo por muitas coisas que você passa.
Um dia quero tomar uma cerveja contigo.
Beijos e tente ficar sempre linda e performática.
Arthur Vilhena.

carol pinheiro disse...

Como assim,NÃO FEZ NADA? Tá louca mulher? Então odas essas iniciativas e providências que tomaou para colocar a vida em ordem não é nada?!!
Pára né Cristal,vc fez foi muuuito,parabéns,força na peruca e vamo que vamo!!!