domingo, junho 23

Onde foram parar todas as coisas planejadas?

Respiro fundo e continuo, meu estômago arde, minha cabeça ainda não aceita muita coisa, mas continuo.
Não é uma simples questão de faxina, é tudo que venho protelando, quando vim pra cá disse que faria mil coisas, que iria caminhar, perder peso, ficar mais saudável, tirar carteira de motorista, me dedicaria mais ao trabalho, só esqueci que para isso precisaria mudar, não mudar de lugar onde vivia.

Entendam, eu viajava duas vezes por mês, um final de semana na terapia e um para mim, onde normalmente ia a praia, durante a semana trabalhava o tempo todo e conversava com Marcos quando saia até umas oito, nove da noite, não tinha muito tempo, não tinha planos reais para me mudar pra cá assim no pá pum, foi algo que aconteceu devido a um episódio específico e as coisas que já estava acumulada em mim, imaginava mil coisas, como vida seria perfeita (toda a imperfeição que via era no fato de morarmos longe) e o quanto tempo isso me economizaria.
Ok, meu tempo foi economizado, porém o restante desandou, de várias formas, e fiquei meio (totalmente) perdida e nada se concretizou (exceto o apartamento) não faço exercícios (estou começando) não tirei minha carteira e nem me dedico ao trabalho, não sou mais saudável e nunca estive tão afastada do Marcos, assim como de todas as outras pessoas, tudo deu certo só que o contrário.

Nunca tinha levado tanto em consideração tudo o que não foi feito porque poderia dizer que foi só algo que disse que iria fazer e não fiz, but, eu DISSE que faria, eu ACREDITEI que faria e apesar de não falar o tempo todo sobre isso me sinto frustrada. Não conheço nada da cidade que não conhecia (exceto meu trabalho), não fiz novos amigos, nunca saí a noite, tem mais de sei lá, um ano e meio que não vou nem ao mercado central, tirando as coisas do dia a dia não faço nada ale´m de ir do trabalho casa, casa trabalho, antes isso me incomodava muito, como se fosse um brinquedo que perdeu a graça, pouco tempo depois eu mesmo não queria ir a lugar nenhum, porque  comecei a me sentir inapropriada em todos os lugares menos na minha casa (ainda me sinto assim).

Sei que escrevendo assim não dá pra ter noção das minhas atuais limitações, mas tenho 28 anos, nunca casei, não tenho filhos, não tenho nada real que me prenda a lugar nenhum e estou ilhada em uma solidão enorme do qual eu NÃO CONSIGO sair! Por mais que eu leia, saiba, minha família fale, essa fase tem se estendido por tempo demais e nada me faz sair dela e nem nada que ninguém fale, cheguei ao ponto de não acreditar em NADA que ninguém diga, é como se todos quisessem me fazer mal, estivessem rindo pelas minhas costas ou esperando a hora certa para me tratarem mal e é um sentimento realmente horroroso, realmente não indico nem a inimigos.

Estou tão cansada mentalmente que não sei como sairei dessa (uma hora eu vou ter que sair e espero de verdade que não afunde muito mais que isso).














Nenhum comentário: