domingo, março 27

O Melhor

Vivi um dilema tão grande no meu trabalho que adoeci, adoeci de depressão, de vazio, de falta de vontades e expectativas. Eu fui desligada da empresa onde trabalhava, depois de ter cometido deslizes, mas principalmente por ter feito mal feito um trabalho que sempre fiz bem-feito.

Como explicar que a melhor vendedora *(e sim esse número foi o de ano de  2015) e quando digo a melhor não é a segunda melhor, foi demitida por erros de iniciantes e como explicar que depois de ter lutado tanto por esse posto, senti um alívio enorme (apesar de estar com um medo absurdo também) porque nunca fui demitida, não sei o que é ficar sem emprego e até onde sei a comida daqui de casa é paga com meu trabalho, assim como meu aluguel, meu cigarro e meu papel higiênico.

O dilema consistiu simplesmente em ganhar algum dinheiro para ir levando ou trabalhar conforme minha paixão me permite. Todos sabem que adoro minha área, então como explicar tudo isso?

Simples. Nunca me senti impelida a fazer meu melhor no meu antigo emprego, nunca. Melhor não quer dizer primeiro lugar, isso posso fazer com esforço (muito) e contatos certos, o melhor é o MELHOR QE VOCÊ PODE FAZER, o seu máximo, a sua paixão, é se jogar, de cabeça, loucamente, sem pensar em horário, se aquilo cansa, se dá trabalho, se ninguém quer fazê-lo, se ninguém quer atender o pior cliente, isso não é utópico, é assim que trabalhava na anterior a essa empresa, foi assim que trabalhei vendendo relógio na Renner... comendo milho sentada no chão do ônibus. Não é uma questão de desafio, é visceral, você quer fazer o melhor porque cada dia o seu melhor sobe de nível, até que você se torna realmente bom.

Não pense que meu melhor é bom, meu melhor as vezes era bater uma meta que ninguém bateria, era vender 1 real para um cara que disse que nunca mais compraria naquela espelunca, fazer o nosso melhor tem que ser bom para quem o faz, a empresa? É secundária. Já burlei regras (regras... não leis) que achava desnecessárias, já meti o peito pra cima, já enfrentei  chefe, dono, a tia do café para fazer meu melhor, já passei como um trator em pessoas menos competentes que eu, já roubei clientes porque sabia que estava sendo desperdiçados, aliás nunca fui a mais boazinha trabalhando, mas era boa no que fui contratada para fazer.

Isso se perdeu... nunca pude e há muito nem queria fazer meu melhor, porque isso significava um desgaste tão grande que só queria ter dinheiro para comer no final das contas, não queria fazer nem o básico, quanto mais o melhor, aliás meu lema a dois anos é... já deu a hora de ir embora? Não pensem que não lutei, lutei tanto que de tanto travar a mandíbula para a luta quase quebrei meus dentes, tomei remédio, enfiava os anti depressivos pra dentro, tomei muito energético (para conseguir ALGUMA energia de fora já que de dentro estava tudo morto), recebia o olha de pena do meu namorado que sabia que por dentro eu me arrastava, perdi a vontade de escrever, de fazer sexo, de viver...





NÃO FAÇAM ISSO, sério, é muito fácil falar isso depois de quatro anos trabalhando, mas sinceramente, quanta energia, quanto TUDO jogado fora por causa de um salário, e não era nem tão alto assim, pelo menos não para o que eu posso ganhar, eu me vendi, me vendi por pouco, me vendi pela falsa segurança de ter um salário no final do mês, a pior venda que existe é quando você vende o seu melhor para virar um ser medíocre, um farrapo, mas um farrapo com salário...

Sabe qual era a minha opinião sobre mim até isso ter (finalmente) acontecido? Que eu era uma bosta de vendedorazinha levando uma vivinha de bosta. Eu. Eu que nunca aceitaria isso. Não se deixem se enrolar pelo polvo do conformismo, ah Cristal, eu tenho contas a pagar... pois eu também! Eu também como, me visto, nem tenho pai e mãe para me ajudar, nem tenho onde cair dura... mas é melhor isso a cair dura de pura maluquice querendo se enquadrar em uma coisa que não ia dar, nunca deu, era como colocar uma caixa quadrada em um buraco redondo.

É APAVORANTE pensar que estou desempregada em um ano de crise, mas é muito menos Saapavorante que literalmente, literalmente, literalmente VOMITAR de tanto nojo que estava sentindo. Saí no meio de runião e fui vomitar porque era indizível a sensação de estar ali.

Só aceito trabalhar agora quando for pra fazer meu melhor, pode ser como qualquer coisa, desde que seja com paixão.












6 comentários:

Jorge Seabra disse...

Antes que virasse uma plena tragédia, vc conseguiu enxergar que há outros horizontes...outros planos...outras regras e outros caminhos! Assim, se dá a vida...ou se conformam com o conformismo ou conformam em simplesmente continuar tentando! Não é msm?
E é só mais uma nova fase que Dona Cristal esta a passar...e qdo passar será com êxito...assim como forma as outras fases!

Te cuida, nega!

Com Carinho,
Jorge Seabra

Denise Oliveira disse...

Passo da outra de você viver das tuas escritas!!dos teus pensamentos e dos teus devaneios!!
Ta pendendo muito dinheiro mulher!!

Unknown disse...

Faz anos que te acompanho e faz tempo que não comento aliás vc tbm que não posta então estsmos quite rsrs
Nova fase caia levante sucuda a poeira e saia linda cheirosa e em um salto alto
O mais importante nunca mais nunca mesmo olhe para trás

Unknown disse...

Faz anos que te acompanho e faz tempo que não comento aliás vc tbm que não posta então estsmos quite rsrs
Nova fase caia levante sucuda a poeira e saia linda cheirosa e em um salto alto
O mais importante nunca mais nunca mesmo olhe para trás

Lara Mello disse...

Muuulleeer! Tá aí, não sou infeliz no trabalho, mas já estou 4 anos nessa área e estou fadigada.. Admiro sua atitude, mas não esperava nada diferente de vc, uma pessoa que largou tudo e foi viver um amor, em outra cidade, vai sempre ser protagonista da sua vida.

Te adoro, fique bem =*

Cristal disse...


Georgette: Exatamente isso! Mais uma fase! Cadê o próximo level?

Denise: Pode passar sempre que agora vai ter trinta mil textos novos kkkkk. Perdendo dinheiro exatamente como? Me diga para eu ganhá-lo!!!

Unknown: Super quites. Anos mesmo que você vem aqui.

Lara: Laaaaraaaaaaa!!!!!!Gzus, fiquei emocionada. Olha eu não estava fatigada, estava doente, louca (no péssimo sentido) e tudo isso para morrer daqui uns anos, merecia isso? kkkkkkkkkkkkkkkk

Beijundas