quarta-feira, março 22

Estranho.

Nem minha mãe e nem meu pai nunca me visitaram, nem uma única vez desde muitos anos, é claro que sei que eles me amam, será que sei?

As vezes penso que ser sozinha não foi uma escolha e sim uma opção que fiz virar escolha, as pessoas a minha volta sempre "não ligaram muito" - você é forte, você vai conseguir, fosse o que fosse, era o que eu ouvia, e só, ou algum eco um tempo depois quando já não era tão necessário uma mão amiga.

Estar só é diferente de ter solidão (que não tenho) mas não é uma coisa legal precisar de alguém e não ter, é como ser orfã de pais e amigos vivos (os amigos, os poucos que souberam que tive depressão saíram em debandada como se fosse algo contagioso), Marcos me ama  ou me atura, tem dias que não sei ao certo, mas a questão que é estranha é que todas essas pessoas tem uma falsa impressão de que precisam de mim quando tem algum problema, ou quando querem conversar.

Não, não precisam de mim, nem eu deles, mas seria bom se pudéssemos contar mais uns com os outros.


Nenhum comentário: