quinta-feira, agosto 25

Cigarro.

Vou contar uma historinha para vocês.
Ontem, saí do trabalho correndo, porque tinha hora na manicure, enfiei um cigarro na boca, fumei depois de seis horas sem nicotinha, corri mais um cado e como a farmácia era longe acendi outro cigarro enquanto pensava nas agruras da vida, eu arfava tanto, estava tão ofegante que primeiro tive que encostar no balcão e respirar umas três vezes para conseguir falar, e eu poderia contar todas as histórias de ficar sem ar ou tossir pela manhã por causa de cigarro, ou de fumar uma caixa na mesa de bar, mas pouparei vocês disso porque eu gosto de fumar, e aí está o grande defeito, o grande senão do vício, é como se o cigarro fosse minha companhia constante, como um velho e silencioso amigo que está sempre ali ao alcance dos meus dedos, pronto pra me consolar, animar, aconselhar e ouvir, é o momento mais egoísta e solitário, onde está só você e o cigarro, no começo ou no final do dia.
 
Entre as idas e vindas, são 10 anos de fumante, onde posso confirmar que ele fez parte da formação da minha personalidade, o cigarro mais que outro objeto esteve e está comigo a tanto tempo que praticamente não me lembro de ficar sem ele, só para perceber o quanto ele é importante (como no caso do avião) e eu dependia dele.
 
Mas ontem na farmácia me lembrei que essa amizade tem um preço e não é barata, e que já não tenho mais certeza se quero pagar.
 
Como uma companhia que descobrimos de repente não mais precisar, comprei os adesivos e faço agora quase 12 horas sem fumar, o adesivo é uma muleta, já que a vontade de fumar permanece, como vício e principalmente como hábito, foi uma manhã estranha e diria até melancólica, de cinco em cinco minutos penso como seria delicioso colocar toda aquela fumaça pra dentro com uma única baforada, respiro fundo e penso que se eu sobreviver até semana que vem, encontrarei outros vícios mais legais, como correr ou rasgar dinheiro, nunca se sabe.
 
Não sejamos alarmistas, proque o câncer está para todos e até gente que não fuma morre, e saúde em si, não é o foco principal da maioria das pessoas. Então esse discurso nunca fez minha cabeça.
 
É claro que posso sair correndo e fumar um cigarrinho daqui a 10 minutos, mas tô aí, tentnado, como sempre.
As vezes funciona.
 
 
 
 

4 comentários:

Daiane Amorim disse...

Desiste não. Força!

Fernanda disse...

Força!!!

Fernanda disse...

E depois me conta se esses adesivos funcionam mesmo, pq eu tou pensando em adquirir alguns.
cof cof.

'Lara Mello disse...

Desejo muito que vc pare de fumar, não quero que sofra amiga, acredite :)