sábado, fevereiro 2

Remédio, casa e coisas

Minha dor de estômago passou de uma queimação ardida para caraleos para a sensação de ter comido uma xícara de giletes novas, ontem a noite além de triste estava com uma dor excruciante que não me deixava comer e minha barriga roncava horrores, chorei procurando pelamordedeus um omeprazol, que não tinha, fiz um mingau de aveia na água e comi a dor melhorou e abandonei por ora o remedinho, mas é por ora.
Pensei em quais dietas fizeram mais efeito pra mim e o comentário da Frô fez todo o sentido, quando perdi peso lentamente mantive por mó tempão, comprei coisas saudáveis de comer que gosto (couve flor, tomate, agrião...) e vamos partir desse princípio de só melhorar um pouquinho daqui e dali lentamente, mas a porra do desespero é mais rápido e a vontade de cortar um pedaço de barriga com a faca de cozinha permanece.

________

Como sabem, ganhei um prêmio por ter vendido muitos disjuntores - um prêmio que não dá pra comprar um bom sapato, mas é dinheiro minha gente, dinheiro caindo do céu The Secrets, dessa grana separei em duas partes, uma da dívida, uma pra gastar que sou filha de Deus e da compulsão.

Para não dar a louca e gastar em maquiagem escrevi em um papelzinho tudo o que queria e o que daria para comprar, fui para o centro de cidade e podemos riscar da lista - dois copos de vidro, mini fruteira de bambu - ah gente era dois reais, uns efeites baratinhos para minha estante, uma frigideira (a minha era um antiaderente mais falso que meus cílios), um organizador de armário - daquelas caixas grandes para colocar os potinhos pequenos (palmas para as dicas do Marcos - que ele sempre acha que não ouço porque meu egoísmo é surdo e deixa pra lá senonce acabo xingando ele aqui) eu uns potinhos lindos com estampa de frutas com tampa para embelezar meu armário da cozinha e dois vidros para eu fazer meus terrários.

Aí é claro que eu com dinheiro, algo TERIA que acontecer e tipo deu a louca total. Quando cheguei aqui meu edredon era da promoção da Casa & Video, caquético, fininho, aquela coisa de pobre e eu queria uma manta que vivia namorando e era tipo 60 dilmas, é meio fof acho que todo mundo conhece é quentinha e fofinha e eu amo a minha que é um cinza feio, aí tava eu andando lépida para o metrô fumando meu cigarro tranquila quando um moço louco de uma casa de roupa de cama começa a gritar no microfone que a tal manta de casal tava 22,90. O que aconteceu? O juízo saiu do corpo fui lá e arrematei a menos feia, roxa com umas inscrições bizarras, eu queria a de onça, mas não tinha!!!!!!! E eu fiquei tão feliz porque apesar de ter só um corpo tenho duas mantas fofinhas para me aquecer no inverno. Nem tô culpada - só bem pouco, mas eu sou a louca da promoção gente. Explico.

Algo pode custar dois reais que não vou dar confiança, falou que está em promoção por 2,50 a mesma coisa enfim, fico loucadomeucu e preciso comprar. A palavra promoção gera um entorpecimento como se eu estivesse fazendo um ótemo negócio, no caso da mantinha foi mesmo, mas na maioria das vezes nem é.
Preciso aprender a controlar a louca da promoção que habita em mim.
No final chegando na praça da estação passei no meu sebão de revistas preferidas e comprei duas Lolas para ver as coisas que nunca posso comprar e me distrair no metrô.

Agora é arrumar minhas coisas fofinhas e ver se a dona vai poder aleijar minhas sobrancelhas mais tarde.




Nenhum comentário: