domingo, junho 23

Mudança interna e externa.

(o texto está enorme)

Bom, todo mundo sabe que fiquei meio doida e pãns, e tinha mó orgulho de dizer que era uma pessoa sensata e tals, mas pode acontecer com qualquer um e aconteceu comigo.

É claro que já vinha dando bandeira que não estava legal, mas nos últimos tempos as coisas pioraram, as férias vieram dar um refresco, mas a vida real e os problemas reais deram as caras e fui piorando a olhos vistos (os meus é claro) até ter um ataque de pânico e pedir para vir para casa mais cedo do trabalho, foi uma das piores sensações que já tive na vida, não é explicável e nem vou tentar - porque é chato, é claro que não me amarrei vendo minha mente (meu único patrimônio real) ruindo e inventando coisas para me fazer acreditar que minha vida tinha acabado. Eu tenho 28 anos! Como minha vida pode acabar assim? E estou viva (agora mais vida, mas nesse dias estava digamos... meio viva) e não é justo depois de tanta luta desistir, ainda mais sem um motivo real, um motivo inventado pela minha própria cabeça!

Meu corpo doía tudo, travado e aquela sensação péssima de vou morrer e não fiz nada.

Sentei para escrever o que tanto me fazia mal, não são as palavras que escrevo aqui, podem apostar, a imensa distância entre a pessoa que quero ser e a que sou hoje, tudo o que estava me incomodando profundamente, escrevi e fui excluindo tudo o que envolvia as outras pessoas, foquei no que eu podia fazer, só eu, sem intervenção externa, depois fiz um exercício que dá certo pra mim, tentar olhar as situações com os olhos de outra pessoa, as conclusões são as seguintes ( e está resumido):

Meu trabalho é o que dá o tom na minha vida, nenhum problema pessoal (de ordem emocional) me desequilibra como meu trabalho.

Achava que era afastada da minha família e que seria "fácil" viver longe deles, estava enganada.

Ninguém é responsável pela minha infelicidade a não ser eu e minhas escolhas.

Não consigo desvincular minhas existências como achava.

Preciso ser honesta sobre o que quero e o que sinto porque mentir para mim está me matando - literalmente.

Adquiri mais problemas financeiros só pra me prender na minha atual situação.

Dores físicas sem explicações são sinal de depressão sim.

Não tenho a maioria das coisas que acho querer porque na verdade não as quero, em algum momento achei que queria, mas não quero me casar e nem ter uma família formal, não hoje, mas não quero viver como se fosse amarrada a essas preocupações, porque não sou casada e nem tenho filhos e os filhos dos outros não me pertencem (e nem deveriam!) e não há porque invejar uma vida que não quero.

Nada que já vivi serve de base para meu presente.

Eu me aceito do jeito que sou.

Não quero ser nada diferente do que eu, porque do jeito que sou hoje (excluindo a mente desequilibrada) já me serve, e daí que falo demais? Que rio alto? Que sou extrovertida demais? Que falo palavrão? Que se foda!

Que sou realmente responsável por tudo na minha vida e isso me dá a chance de fazer as coisas diferentes.

Que não posso ajudar ninguém a minha volta se estiver na merda. E que não tem solução pra isso - exceto sair da merda.

Ninguém pode me colocar em um lugar que não quero, se me sinto humilhada, feia ou "fora da festa" é porque decidi me sentir assim, agora para explicar seria anos de escrita.

Que ninguém vai me resgatar desse estado porque ninguém pode fazer isso, só eu.

Meus padrões mentais estão errados - sou melhor que imagino.

Se alguém não me aceita por algum motivo, esse motivo tem a ver com a pessoa e não comigo.

Baseada nessa e em outras constatações foi só escolher o que quero fazer e o quanto estou disposta a pagar, nenhum pagamento pode ser maior do que querer desistir da vida.

Esse texto não tem nada a ver com minhas explosões "o que precisa ser feito e tenho preguiça" vem de um sofrimento interno profundo que não estava admitindo pra mim, não estou mais disposta a mentir a esse respeito, pra mim e pra ninguém.

Parei para meditar e relembrar minhas sessões de análise, anos e anos, os livros que já li, o que já aprendi e colocar em prática - agora vem a parte mais difícil.

Acordei mais cedo que o costume e fui fazer exercícios físicos - caminhei na rua até ficar meio tonta, respirei ar fresco, cheguei em casa e fiz mais exercícios até quase cuspir o pulmão, tomei banho frio e tomei três copos de suco de couve com maçã e mais umas gororobas (nem é tão ruim quando a opção é ficar doente para sempre)  - escondi o cigarro para não fumar de automático, e quando deu sete da manhã, já tinha feito um porradão de coisas e estava me sentindo ótima. Fui ao centro buscar meus óculos e quando olhei uma banca de jornais e queria comprar umas revistas, algo veio lá de dentro dizendo que não precisava daquilo em absoluto e que nem tinha dinheiro!

Quando cheguei em casa apertei um travesseiro na cara e comecei a gritar, xinguei todo mundo que queria, falei tudo o que estava entalado, xinguei pessoas do presente do passado e quiçá do futuro!(se você nunca fez isso deveria - vai perceber que é mais difícil que parece) me permiti ficar magoada de verdade com quem me magoou, disse para as pessoas que me abandonaram que nunca superei bosta nenhuma na verdade, que tinha escondido esse monte de lixo durante anos e que ele estava lá agora cobrando um preço enorme!

O dia passou...eu elaborando mil coisas.. depois consegui até relaxar vendo tv e fui dormir mais tarde que o costume porque não queria fugir para o reino eterno das minhas cobertas.

Hoje, queria ficar na cama, me obriguei a levantar, tomei o suco de coisas verdes, joguei um mel no meio e ficou bem bebível pra te mandar a real, antes de comer qualquer porcaria tomei mais sei lá quantos copos de água com limão, água com num sei o que, meditei e pedi clareza para fazer o que tinha que fazer, como sou uma acumuladora, carente de coisas materiais fico colecionando merda por pura incapacidade de livrar-me dessas coisas (como sou incapaz de me livrar sentimentos que me fazem mal, por isso sou uma pessoa rancorosa) e que luta! (e nem terminou ainda porque dei uma paradinha para respirar) separei uma sacola de lixo e mais três para doações. Parti do princípio simples "isso me serve? tem a ver com quem quero ser? Eu vou USAR isso?" Nessa peguei calças que nem me cabem, estão fora de moda ou algo assim, blusas, casaco, sutiã faltando um aro, creme de cabelo (eu vou usar isso? Não, não vou e nem serve para meu cabelo) e coisas como "esse hidratante fede" "esse baton está fora da validade" "pra que ter 15 caixas de óculos?" "essa revista não tem nada de interessante!" "essa blusa está ótima para virar pano de chão" "meia sem pé ou é lixo ou é pano de limpar móvel" "ah essa blusa minha mãe me deu... e bom nunca usei - doação!"... e me repetindo que ESTOU DISPOSTA A MUDAR (e estou mesmo, e vou ter ajuda assim que for a hora, vai demorar um pouco para eu reabrir meu mundo externamente, tem muita coisa para fazer internamente ainda)...
E.. isso e aquilo, vai pro lixo e a bagunça aumentando, e sapato frouxo, nussa esse mata meus dedinhos! (5 pares de sapato para a doação) e essas duas bolsas já estão mortas!

Meu apartamento está uma zona, nessa faxina ainda quebrei duas coisas que nem podia! (uma garrafa e uma taça linda que roubei da minha mãe) e ainda furei um dedo, pisei num caco e dei um pequeno corte no pé, mas comece a sentir raiva (normalmente não me permito sentir raiva por isso que antigamente todo mundo me achava de bem com a vida)  você percebe o quanto está propensa a quebrar as coisas ou se machucar, mas vamos lá, vou arrumando e dizendo que tudo vai se encaixar (e podem apostar que vai mesmo!) a parte mais difícil é me livrar dessas coisas e estar sozinha (escolhas, escolhas) e querer me apegar a qualquer coisa (que é o meu costume), e no entanto preciso fazer o extremo oposto, preciso abrir os dedos! Preciso largar essa porra toda, porque esses apegos estão atravancando o progresso do país  sei que não vou conseguir dar um passo adiante enquanto não conseguir fazer isso, e MEU DEUS como cansa!!!! Como cansa!!! Estou em frangalhos, sem fome, minhas costas doem! Como as coisas DOEM, como se livrar delas doí! Mas não posso me acostumar com essa dor.
Não podemos abrir um ciclo novo sem terminar o velho e putaquepariu como carrego velharia aqui dentro, como me sinto culpada pela minha mãe, pelas coisas que aconteceram, como aconteceram, eu tinha 17 anos! Como eu poderia fazer melhor?

Mas hoje posso fazer melhor, pelo menos hoje hoje.




























4 comentários:

Di disse...

Cristal, eu me identifico com vc no sentido de q minha vida tá uma merda, tá uma merda, tá uma merda. epifania. vou mudar, minha vida vai ser perfeita, eu tenho controle da situação e as coisas vão melhorar pq eu vou melhorar. até q no dia seguinte, me dá uma preguiça de tudo e as coisas voltam como eram antes.

claro q eu to falando de fora e isso é o q me parece lendo seu blog, mas me parece q assim como eu, seu maior problema é disciplina e constância, então, não seria o caso de definir metas claras e objetivas, de curto e longo prazo e dividir isso com alguém q possa te cobrar e te ajudar a alcançar essas metas?

de qq forma, espero q vc consiga superar essa situação =)

Cristal - a pedra que fala. disse...

Você SABE de tudo. É exatamente isso, não tenho problema em começar a fazer, o problema é a constância e minhas oscilações de humor, por isso é tão difícil, não adianta ninguém me cobrar e nem ter metas claras (eu tenho metas claras) só que depois de uma semana eu nem IMAGINO porque estou fazendo a tal coisa, por isso é tão difícil, mas após seu coment estou pensando em uma meta de constância, que tal? rs

Beijuxxx e espero que vc tb consiga superar! kkkkkkkkkk

Nádia Galdino disse...

Realmente, o texto está enorme e é difícil comentar TUDO haha... mas acho que o mais importante e que resume tudo isso é essa frase:
"Preciso ser honesta sobre o que quero e o que sinto porque mentir para mim está me matando - literalmente."

Acho incrível você ter enxergado TANTA coisa em um dia ou dois... e ter conseguido pôr isso para fora e começado a fazer alguma coisa ao invés de só sair correndo para debaixo do cobertor: principalmente porque você tá só, e isso seria tão mais fácil! Acho que isso tudo mostra o quanto você quer, SIM, viver... Imprime uma lista com todas essas conclusões a que você chegou pro caso de acontecer de você não ver mais sentido em nada... ela é bem grande e não vai permitir que você se esqueça mais haha! E se livrar de velharia é uma das melhores coisas que existe... minhas coisas e minha vida ainda são uma zona, mas adoro quando tenho a oportunidade de jogar algo fora hoje em dia.

PS: só não entendi de qualé a do suco verde, eca kkk


:* e se cuida, de verdade!

Cristal - a pedra que fala. disse...

Nádia: Estou enxergando algumas coisas faz tempo o que é bem diferente de admitir e você não faz idéia do que é uma zona até adentrar meu apartamento quando está bagunçado!

Eu adorei a limpeza, pena que essas sensações acabam meio rápido.

O suco verde é para desintoxicar, e olha nem é tão ruim, de verdade, só não é tipo vodka com água de coco.

Bjundas