segunda-feira, novembro 30

Piscóloga - Dia 1

Me rendi, como tenho me rendido diversas vezes, fui a piscóloga a primeira de muitas sessões.
Entendo porque as pessoas tomam chá de qualquer coisa para tentar curar a depressão, a angústia e dor é tão forte que qualquer esperança é fio a se apegar.

Cheguei, carregando meu enorme fardo de vazio interior, e ela quis "me conhecer" eu disse quem era, o que fazia, e como me sentia a maior parte do tempo, um lixo, feia, gorda, mal acabada, tais palavras "chocou" a psicóloga e apesar de já ter ouvido mil vezes ela repetiu, como uma mulher bonita como você pode se sentir assim? (risos) A beleza deve ser algum tipo de antídoto, só é depressivo quem é feio.

Contei dos remédios que tomo, dos efeitos colaterais, de como são meus relacionamentos (os poucos que existem e os superficiais) disse que gostaria de sumir.

Contei sobre o episódio fatídico dos soníferos, ela perguntou se eu tentei me matar e eu disse que não, que só queria dormir uns 4 dias seguidos. Falei sobre a imensidão do vazio, da minha falta de vaidade, da minha falta de propósito, do meu pouco valor e como tento sublimar tudo isso parecendo melhor que as outras pessoas.

Falei que sou compradora compulsiva, que sinto sono e apatia o tempo inteiro, que meu trabalho é um tipo de tortura e que nunca me adaptei a minha mudança. Disse que não me sinto meu mesma, que meus olhos são se parecem com os meus, que sequer me reconheço em uma foto.

Disse que fazer qualquer coisa é um esforço enorme, hercúleo, que nem queria estar ali, que queria ir dormir. Disse que meu relacionamento está por um fio porque não consigo externar nenhum tipo de sentimento e quando o faço é com tanta fúria que assusto.

Falei que não gosto dos meus colegas de trabalho e da humanidade como um todo, que fujo de qualquer convite e só quero ficar em casa, disse que minha libido é uma vaga lembrança e que meus remédios não parecem ajudar.

Quando ela me disse o que eu gostava de fazer... eu disse que gostava de ler, de escrever e de imaginar que sou outra pessoa.

Não saí uma vírgula melhor que entrei, falar tudo isso em voz alta e admitir foi pior que com o psiquiatra, fez tornar mais real que não dou o mínimo valor a minha vida.

Mas já estou com a próxima sessão marcada.


6 comentários:

Ana disse...

Que bom , falar é preciso e se ouvir também.
Tenho certeza que vai sair dessa!!


Felipe disse...

Putz..... lembrei o nome desse blog sem mais nem menos, lembro que quando conheci a mais de 5 anos atrás, fiquei um dia inteiro lendo e impressionado com sua habilidade, criatividade e humor para escrever. Recordo que vc trabalhava vendendo relogios num shopping , fumava , bebia , comia hamburgueres gordurosos quando chegava do trampo e etc. Rachava os bicos do seus posts...... enfim, hj parece estar passando por um momento dificil , meio triste ...o que mudou de lá pra cá? O talento para escrever está do mesmo jeito! rá...

Noemí Teixeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle disse...

Nossa, há quanto tempo não passo por aqui... como de costume passei, parei e li uma página (ou mais?) de textos para me atualizar. Quando abri o blog achei que leria algo do tipo "aí minha vida deu uma reviravolta e agora sou rica e feliz". Ainda torço pelo dia em que voltarei aqui e lerei algo assim, de verdade. Força! :)

. disse...

Feliz Natal Cristal, espero que esteja tudo bem!

aliceecila disse...

primeiras sessões de psicólogos, quando rola empatia com a mesma, são maus necessários.